Notícias

Alteração na Lei Antiterrorismo pode criminalizar movimentos sociais

ocupar
Enviar por e-mail
Imprimir página Imprimir agora
Tamanho das letras A+ A-

Proposta em discussão na Câmara reinsere ‘motivações político-ideológicas’ no texto da Lei Antiterrorismo e facilita enquadramento de movimentos sociais e manifestantes como terroristas.

leiantiterrorismo

O Congresso Nacional mais uma vez é o centro de graves retrocessos em relação à garantia dos direitos fundamentais após um andamento extremamente preocupante do PL 5.065/2016. Este projeto de lei tem como objetivo alterar a Lei Antiterrorismo, aprovada sob amplas críticas da sociedade civil em março de 2016. Entretanto, se a Lei Antiterrorismo representa um marco negativo por seu processo de aprovação sem participação e transparência, suas penas desproporcionais e pela amplitude dos seus dispositivos, que significam um risco para movimentos sociais e manifestantes, o PL 5065/2016 visa tornar esta legislação ainda mais restritiva e criminalizadora.

Em síntese, suas propostas são a inclusão do caráter “político e ideológico” na lista de motivações para o crime de terrorismo, a retirada da salvaguarda para movimentos sociais e manifestantes que a lei prevê e a ampliação das condutas consideradas terroristas, inserindo, por exemplo, atos de violência contra funcionários públicos e de dano contra bens como rodovias e ferrovias.

Os dois primeiros pontos representam, em conjunto, uma permissão expressa para que manifestantes e movimentos sociais sejam arbitrariamente etiquetados como terroristas, já que são estes os grupos que tomam as ruas e realizam atos considerados “políticos e ideológicos”. A presença da salvaguarda na lei aprovada em março de 2016, apesar de não significar uma garantia plena contra a criminalização, representava uma certa barreira, que o projeto 5065/2016 pretende retirar, deixando os movimentos sociais e manifestantes sujeitos a arbitrariedades na interpretação legal, algo especialmente problemático dado o contexto geral de repressão e criminalização destes grupos.

Ainda, a proteção específica a funcionários públicos é descabida, pois os eleva a uma posição superior em relação aos cidadãos comuns, e a inserção de diversos bens públicos e serviços como alvos de terrorismo é desproporcional, na medida em que sequer são considerados essenciais.

Todos estes pontos foram trazidos pela sociedade civil em Audiência Pública convocada pelo Deputado Hugo Leal, relator do projeto na Comissão de Segurança Pública e Combate ao Crime Organizado (CSPCO), realizada no dia 30 de maio. Nesta ocasião, foram exaustivamente expostos argumentos penais, constitucionais e relativos aos direitos humanos para sustentar a rejeição da proposta, posição então compartilhada por deputados presentes.

Apesar disso, para surpresa da sociedade civil, o parecer apresentado pelo relator na última terça-feira, dia 20 de junho, foi no sentido contrário, posicionando-se pela aprovação da maior parte dos dispositivos do projeto e propondo preocupantes alterações, que, se aprovadas, devem resultar na versão mais restritiva da Lei Antiterrorismo até hoje.

Sob o argumento de que não importa a motivação ou o grupo que comete o ato terrorista, mas apenas o ato em si e sua finalidade de causar terror, o relator entendeu por aprovar a retirada da salvaguarda para movimentos sociais e defendeu, ainda, a exclusão de toda e qualquer motivação, inclusive aquelas já previstas na lei originalmente aprovada. Tal mudança é gravíssima, pois, apesar de não incluir as motivações “políticas e

ideológicas”’’, tem efeito ainda pior, já que agrava o caráter amplo e genérico da lei; se qualquer grupo pode cometer atos terroristas por quaisquer motivos, basta a interpretação conservadora do aplicador sobre a lei para que movimentos sociais e manifestantes sejam enquadrados e sofram as penas duríssimas da lei.

Além disso, o substitutivo proposto no relatório não apenas acolhe a inclusão discriminatória de atentados contra funcionários públicos e militares como atos terroristas, como aumenta as já altíssimas penas do crime, que passam a ser de 20 a 30 anos nestes casos.

Em um contexto de intensa criminalização dos movimentos sociais e do direito de protesto, ao mesmo tempo em que a garantia deste direito torna-se cada vez mais essencial em razão de nosso cenário político e social, iniciativas como o PL 5.065/2016, chancelado pelo relatório do deputado Hugo Leal na Comissão de Segurança Pública e Combate ao Crime Organizado, são inaceitáveis. O Congresso Nacional tem um papel central de produzir as legislações que atingem toda a população, de forma que é necessário que seu trabalho almeje sempre a garantia e promoção dos direitos fundamentais, e não sua restrição, como é observado no caso da Lei Antiterrorismo e de suas alterações.

Assinam esta nota:

1. Ação Franciscana de Ecologia e Solidariedade – AFES

2. Actantes

3. ANDI — Comunicação e Direitos

4. Articulação para o Monitoramento dos Direitos Humanos

5. ARTIGO 19

6. Associação Catarinense de Rádios Comunitárias – ACRACOM

7. Associação Juízes para a Democracia – AJD

8. Brigadas Populares

9. Campanha Nacional pelo Direito à Educação

10. Central de Movimentos Populares

11. Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil – CTB

12. Centro de Assessoria Popular Mariana Criola

13. Centro de Cultura Luiz Freire – CCLF

14. Centro de Defesa da Criança e do Adolescente Mônica Paião Trevisan – CEDECA

15. Sapopemba

16. Centro de Defesa dos Direitos Humanos – CDDH/Serra

17. Centro de Direitos Humanos Pablo Gonzáles Ollala – CDH Sapopemba

18. Centro Dom Helder Câmara de Estudos e Ação Social – CENDHEC

19. Centro Gaspar Garcia de Direitos Humanos

20. Centro pela Justiça e o Direito Internacional – CEJIL

21. Centro Popular de Direitos Humanos – CPDH

22. Coletivo Margarida Alves de Assessoria Popular

23. Comissão de Direitos Humanos da OAB/MG

24. Comissão Pastoral da Terra – CPT

25. Comitê de Pais e Mães em Luta

26. Conectas Direitos Humanos

27. Confederação Nacional dos Trabalhadores em Seguridade Social da CUT – CNTSS/CUT

28. Direitos para todxs!

29. Fábrica ocupada Flaskô

30. FIAN Brasil

31. Fórum da Amazônia Oriental – FAOR

32. Fórum Mineiro de Direitos Humanos

33. Fórum Nacional pela Democratização da Comunicação – FNDC

34. Gabinete de Assessoria Jurídica às Organizações Populares – GAJOP

35. Grupo Tortura Nunca Mais – SP

36. Instituto de Cidadania e Direitos Humanos – ICDH

37. Instituto de Defesa dos Direitos Humanos – DDH

38. Instituto Terra, Trabalho e Capital – ITTC

39. Intersindical Central da Classe Trabalhadora

40. Intervozes – Coletivo Brasil de Comunicação Social

41. Instituto de Estudos Socioeconômicos – INESC

42. Instituto Pacs

43. Instituto Sou da Paz

44. Justiça Global

45. Movimento de Luta nos Bairros, Vilas e Favelas (MLB)

46. Movimento Nacional de Rádios Comunitárias – MNRC

47. Movimento dos Trabalhadores Rurais sem Terra – MST

48. Movimento dos Trabalhadores Sem Teto – MTST

49. Núcleo de Cidadania e Direitos humanos da Defensoria Pública do Paraná

50. Ocupação Vila Soma

51. Ouvidoria-Geral da Defensoria Pública do Estado de São Paulo

52. Pastoral Carcerária Nacional – CNBB

53. Rádio Comunitária Noroeste FM – Campinas

54. Red Regional agua, desarrollo y democracia – REDAD

55. Rede Justiça Criminal

56. Rede Nacional de Advogados Populares – RENAP

57. Sociedade Maranhense de Direitos Humanos – SMDH

58. Sociedade Paraense de Defesa dos Direitos Humanos – SDDH

59. Terra de Direitos

60. União dos Movimentos de Moradia de São Paulo

· Alexandre Tortorella Mandl – advogado

· Cezar Britto, ex presidente da OAB

· Deputado Chico Alencar – PSOL/RJ

· Clarice Viana Binda, Defensora Pública Titular do Núcleo de Direitos Humanos da DPE-MA

· Claudia Beatriz

· Deputado Edmilson Rodrigues – PSOL/PA

· Esther Solano Gallego, Unifesp

· Deputado Glauber Braga – PSOL/RJ – Líder da bancada

· Guilherme Boulos

· Hércules Dias

· Deputado Ivan Valente – PSOL/SP

· Deputado Jean Wyllys – PSOL/RJ

· Deputada Luiza Erundina – PSOL/SP

· Jorge Luiz Souto Maior, professor da Faculdade Direito da USP

· José Geraldo de Souza Junior, ex-Reitor da Universidade de Brasília

· Katia Aguiar – Profa. Departamento de Psicologia/UFF

· Margarida Maria Seabra Prado de Mendonça- advogada, professora doutora em Filosofia

· do Direito, conselheira do CEDCA pela OAB/RJ

· Merilane Pires Coelho – Ouvidora Geral Externa da Defensoria Pública do Estado do Ceará

· Paula Vianna Soares Kossatz

· Deputado Paulo Pimenta – PT/RS

· Sergio Olliveira

· Tereza Maria Pompeia Cavalcanti, Teóloga e professora da PUC

· Valdeck Almeida de Jesus, jornalista, escritor, poeta, Ativista cultural

· Deputado Wadih Damous – PT/RJ

· Wilma Lúcia Rodrigues Pessôa, Professora de Sociologia da UFF

Fonte: Portal do FNDC

Comentários (0)

Deixe um comentário