Notícias

Trabalhadores de Varginha discutem reforma da Previdência

WhatsApp Image 2019-03-15 at 14.33.23
Enviar por e-mail
Imprimir página Imprimir agora
Tamanho das letras A+ A-

O Sindicato dos professores do Estado de Minas Gerais (Sinpro Minas) acionou a Câmara Municipal de Varginha para a realização de uma audiência pública com debate sobre as perdas para os trabalhadores diante da reforma da Previdência.

A audiência foi realizada no último dia 14 e contou com a participação de trabalhadores/as de diversas áreas e professores/as da rede pública e do setor privado da educação. Para falar dos impactos da reforma na vida do/a trabalhador/a brasileiro/a, especialmente na educação, foram convidadas a presidenta do Sinpro Minas e da Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB Minas), Valéria Perez Morato; a diretora do Sinpro Minas e da CTB Minas, Conselheira no Conselho Municipal de Direitos das Mulheres, Membro do Coletivo Feminismo Popular de Varginha, Mônica Lacerda; e a advogada regional do Sindicato Único dos trabalhadores em Educação (Sind-Ute), Mara Aline Oliveira.

Durante a audiência, a Câmara Municipal de Varginha prestou uma homenagem às mulheres (foto) pela passagem do Dia Internacional das Mulheres, celebrado em 8 de março

Abaixo a lista das homenageadas:
– Por lutar pela garantia e conquista de direitos dos/as  professores/as, por justiça social, igualdade e garantia da democracia, professora e dirigente sindical Valéria Perez Morato;

– Por lutar pela garantia e conquista de direitos dos/as professores/as representando o Sinpro Minas em Varginha e região, pela luta por pautas identitárias travadas diariamente como membro do Coletivo Feminismo Popular de Varginha e do Conselho Municipal de Direitos das Mulheres, a professora e dirigente sindical Mônica Junqueira Cardoso Lacerda;

– Pela luta constante por garantir direitos dos Trabalhadores da Educação da Rede Pública Estadual e pelas lutas contra o machismo, racismo, lgbtfobia, Mara Aline Oliveira, membro do Coletivo Feminismo Popular de Varginha;

– Pela luta contra o racismo e machismo, em defesa de direitos das mulheres negras, Gislene Aparecida Alexandre, estudante da Unifal, membro fundadora do Coletivo Negro Mestre Ambrósio.

– Estudante da Unifal Gabriela Rabelo, representando as mulheres da Frente Brasil Popular de Varginha

–  Marilaine Rabelo, pelo Coletivo Feminismo Popular de Varginha

– Pela profissão mais honrosa de onde nascem todas as outras profissões, por serem formadoras de opinião que conscientizam politicamente seus alunos, as professoras do setor privado:
*Izabella Roquim – Colégio Logos
*Raíssa Coelho – Colégio Adventista, Batista e Logos
*Giovana Cardoso Azevedo – Santos Anjos
*Cristiane Scalco Aguiar – Colégio Marista
*Marielle Jacinta Pereira Costa – Sesi
*Cristina Teixeira Vale – Faceca
*Carina Adriele Duarte de Melo Figueiredo – Grupo Unis.
*Maria Lúcia Paiva – representando as professoras aposentadas
*Isadora Garcia – representando as professoras da rede pública estadual
*Ana Carolina Guerra- representando as professoras da Universidade Federal de Alfenas – Unifal

A audiência foi encerrada com um minuto de silêncio, ato organizado pelo Coletivo Feminismo Popular de Varginha em homenagem a ex-vereadora do Rio de Janeiro, Marielle Franco assassinada há um ano.

 

 

Assista aqui a audiência pública em Varginha

 

 

WhatsApp Image 2019-03-15 at 14.35.16 WhatsApp Image 2019-03-15 at 16.34.08 WhatsApp Image 2019-03-15 at 16.34.18 (1) WhatsApp Image 2019-03-15 at 16.34.18

Comentários (0)

Deixe um comentário