Notícias

Centrais e sindicatos repudiam a reabertura do comércio em Varginha

notaderepudio
Enviar por e-mail
Imprimir página Imprimir agora
Tamanho das letras A+ A-

Sindicatos e Centrais Trabalhistas, frente à pandemia do novo coronavírus (Covid-19), enfrentada em diversos países no mundo e aqui no Brasil com um crescimento que preocupa a toda sociedade e as autoridades sanitárias, consideram a reabertura do comércio de Varginha um sério risco à saúde e à vida da população, bem como dos comerciários e de todos os profissionais de Saúde que estão na linha de frente.

Este ato prejudica todos os esforços da OMS e dos profissionais de Saúde para conter o vírus e para que o SUS não entre em colapso diante do cenário emergencial que vivemos na atualidade, como já acontece hoje em Manaus e outras regiões do país.

Segundo previsão feita pelo Ministério da Saúde a infecção pela doença deve disparar neste mês e continuar crescendo até junho, quando a curva começará a desacelerar. O secretário-executivo da pasta previu que o Brasil terá “dias difíceis” em abril.

A reabertura do comércio e consequentemente reivindicar a normalidade do funcionamento de escolas e indústrias, neste preocupante momento, contraria todas as evidências técnicas e científicas de instituições como a Organização Pan-Americana da Saúde (Opas), Organização Mundial da Saúde (OMS), Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), universidades brasileiras e o próprio Ministério da Saúde (MS), por meio da Secretaria de Vigilância em Saúde (SVS).

Consideramos que a quebra do isolamento social, justo neste período, pode vir a causar prejuízos aos cidadãos e cidadãs de Varginha e região assim como favorecer o aumento da transmissão comunitária e até mesmo o número de mortes.

Neste momento, a principal recomendação das autoridades sanitárias, legalmente com competência e conhecimento para lidar com o cenário crítico, é o isolamento do maior número de pessoas, com atenção especial aos idosos, diabéticos, etc.

Entendemos a situação dos pequenos empresários, comerciantes e trabalhadores em geral e afirmamos que quem precisa oferecer suporte para todos neste momento é o governo federal, como vem acontecendo em outros países. É necessário reconhecer e respeitar o trabalho que tem sido desenvolvido por inúmeros profissionais da Saúde em todo o país, e as ações sugeridas pelo Ministério da Saúde.

A vida não pode ser desprezada, o SUS é capaz de salvar-nos neste contexto. Mas precisamos de financiamento adequado e do compromisso de todos e todas no país. Os sindicatos e Centrais estão do lado da vida e da população de Varginha e região.

Assinam esta nota:

CTB – Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil,

CUT – Central Única dos Trabalhadores,

Sinpro Minas – Sindicato dos Professores do Estado de Minas Gerais,

Sinttel Minas,

Sindute Subsede Varginha,

Sindicato dos Trabalhadores nas Empresas de Correios e Telégrafos e Similares no Estado de Minas Gerais,

SAAESUL

Frente Brasil Popular

Comitê Central da Luta Pelo Socialismo (LPS)

Comentários (0)

Deixe um comentário