Notícias

Diva Guimarães emociona plateia da Flip 2017

Diva-Guimaraes-reproducao-youtube
Enviar por e-mail
Imprimir página Imprimir agora
Tamanho das letras A+ A-

A professora Diva Guimarães emocionou o público e o ator Lázaro Ramos, na sexta-feira (28), na 15ª Festa Literária Internacional de Paraty (Flip), no litoral sul fluminense. Na mesa “A Pele que Habito”, depois das falas do ator baiano e da jornalista portuguesa, Joana Gorjão Henriques, a professora paranaense, de 77 anos, contou a sua história.

Neta de escravos, Guimarães diz que, além de ser levada a um internato de freiras aos 5 anos, as crianças eram colocadas para trabalhar e que as freiras contavam histórias racistas para elas, chamando os negros e negras de “preguiçosos” e de “inferiores”.

Visivelmente emocionado, Lázaro Ramos fez uma defesa enfática da educação pública. “A gente precisa fazer um pacto de investir em educação pública de qualidade. Não podem sucatear a educação brasileira. A educação pública tem que ser valorizada, o professor tem que ser valorizado”. O público respondeu gritando “Fora Temer”.

 

Assista a história de Diva Guimarães

Circula também pela internet uma petição da Coordenação Nacional de Articulação das Comunidades Negras Rurais Quilombolas (Conaq). A campanha “O Brasil é Quilombola, Nenhum Quilombo a Menos!”, foi lançada na sexta.

O abaixo-assinado pede ao Supremo Tribunal Federal (STF) que reconheça a constitucionalidade do Decreto 4.887/2003 assegurando os direitos das comunidades quilombolas.

Veja o vídeo da campanha O Brasil é Quilombola, Nenhum Quilombo a Menos!

 

Isso porque o STF deve julgar na quarta-feira (16) a Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI), impetrada pelo Democratas em 2004.

De acordo com a Conaq, a votação se arrasta desde 2012. Dois ministros já votaram. César Peluso, que era relator da ADI, e já não se encontra mais no STF, votou a favor da ação, enquanto Rosa Weber votou pela constitucionalidade do decreto, mas apenas para as comunidades na posse de seus territórios em 5 de outubro de 1988, teriam direito à titulação.

Assine e defenda os direitos quilombolas:

https://peticoes.socioambiental.org/nenhum-quilombo-a-menoshttps://peticoes.socioambiental.org/nenhum-quilombo-a-menos

“Parece que este país está andando para trás em todas as áreas. Impossível retirar os remanescentes quilombolas de suas terras. Seria a morte dessas populações que cuidam das terras e as protegem da degradação”, afirma Mônica Custódio, secretária da Igualdade Racial da Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB).

Ela insiste na importância de assinar essa petição para “impedir mais essa agressão aos direitos dos povos originários, além de forte ameaça às nossas florestas e riquezas do nosso subsolo, sempre usurpadas por países imperialistas”.

Fonte: Portal CTB

Comentários (0)

Deixe um comentário