Notícias

‘É alarmante a situação do Brasil, país fundamental para a América Latina’

Patricio-Guzmán_menor
Enviar por e-mail
Imprimir página Imprimir agora
Tamanho das letras A+ A-

Cineasta chileno Patricio Guzmán explica como o fim da memória sobre a ditadura influencia nas políticas atuais

Os filmes do cineasta chileno Patricio Guzmán falam sobre a ditadura chilena, mas dialogam com o momento atual do Brasil. Em entrevista à jornalista Marilu Cabañas e ao diretor do Instituto Vladimir Herzog Rogério Sottili, na Rádio Brasil Atual, ele conta que, mesmo acompanhando da França, vê a situação política brasileira de forma preocupante. “Parece alarmante o que vem acontecendo, cada vez que aparece no noticiário, parece algo complicado e difícil. Há problemas difíceis e tem uma incerteza que os meios transmitem. O Brasil é um país fundamental na América Latina”, afirma.

Em outubro, o Instituto Vladimir Herzog promoveu a mostra de cinema “Paixão de Memória”, no Cine Caixa Belas Artes, com a exibição de 11 filmes do cineasta, na qual ele também ministrou um workshop. Para Guzmán, a experiência em solo tupiniquim foi agradável. “Quando fazemos um seminário transmitimos um pouco a nossa visão de futuro, de América Latina, de audiovisual. É muito agradável fazer aqui neste país, as pessoas não são só mais receptivas como desejam mais conteúdo”, contou.

Reconhecido como um dos maiores documentaristas da América Latina, Guzmán também narra em seus filmes a maneira em que a imprensa local firmava compromissos com os poderosos chilenos. Ele lamenta que não houve uma reparação, o que dificulta consolidar avanços no país.

“A memória se perdeu, a educação não fala da memória como deveria. Há problemas graves em saúde e educação que não foram resolvidos. Em Santiago, a empresa privada avança, mas, no resto do país, a pobreza é enorme, com a falta de recursos e de educação. Quando você olha para o Chile de forma macro é uma coisa boa, mas ao olhar para a periferia você vê que é um país sem recursos, solitário”, explica Guzmán.

Outro retrocesso em território chileno que ele vê é a aniquilação dos povos originários. “Há culturas indígenas inteiras que desaparecem no sul do Chile. Na parte do extremo-sul há seis culturas aniquiladas. Não são um grupo cômodo para o governo chileno, não sabem o que fazer com eles. No norte também há grupos indígenas indignados, mas pouco a pouco devem se sair bem, pois são resistentes”, diz.

Ouça a entrevista:

 Fonte: Rede Brasil Atual 

Comentários (0)

Deixe um comentário