Notícias

Governo Bolsonaro quer que os proprietários regulem as faculdades particulares

educação não é mercadoria 1
Enviar por e-mail
Imprimir página Imprimir agora
Tamanho das letras A+ A-

O secretário de Regulação e Supervisão da Educação Superior, Marco Antônio Barroso Faria, anunciou aos empresários reunidos na Associação Brasileira Mantenedoras do Ensino Superior ( ABMES) que o Governo Bolsonaro pretende reduzir a atuação do MEC (Ministério da Educação) no ensino superior privado. “Como liberal que sou, na medida que o setor se autorregular, o estado precisa de intervir menos. Na medida em que os atores participantes desse mercado zelarem pela qualidade do ensino, eu só vou fazer a chancela”, disse.

Para o coordenador-geral da Contee, Gilson Reis, trata-se de uma proposta grave: “Este governo ultraliberal está querendo privatizar até a avaliação do ensino, e isso colocando os próprios empresários para dizer se sua empresa cumpre a função social, no caso do ensino, ou não! É como colocar nas mãos da Vale a fiscalização de suas barragens”…

Discussão com todos?

“O pessoal brinca que a Seres [secretaria de Regulação e Supervisão] é o cartório do MEC. Eu não vejo como problema, desde que o cartório esteja trabalhando bem. Eu quero não aparecer, a ideia é essa. Quero, se possível, no final de quatro anos, aumentar a autorregulamentação para que possa regular menos”, reafirmou Faria.

Ele informou que a ação será discutida a longo prazo e com participação de todos os envolvidos. Não mencionou – e os empresários tão pouco se interessaram em lhe perguntar – se os trabalhadores nesses estabelecimentos de ensino, representados pela Contee e entidades filiadas, participarão dessas discussões.

Segundo a Folha de S. Paulo, Faria é um dos três ex-alunos do ministro da Educação, Ricardo Vélez Rodríguez, que assumiram pastas importantes. Ele não tem experiência em gestão e é da área da filosofia, com mestrado e doutorado em Ciência da Religião – ambas as pesquisas orientadas pelo ministro.

A Folha ainda informa: “Para funcionarem, os cursos de graduação no país passam por avaliações de qualidade, como o Enade (avaliação federal feita por alunos) e análise da oferta escolar, como infraestrutura. Essas informações são a base para o credenciamento e a renovação de credenciamento de cursos e também das instituições de ensino.

Assim, um baixo desempenho pode resultar até mesmo no fechamento do curso ou impedir sua participação no Fies, programa para financiamento estudantil. Todo o processo segue a Lei do Sinaes (Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior).

De 2.066 faculdades, universidades e centros universitários com indicador de qualidade divulgado em dezembro ano passado (o chamado IGC, Índice Geral de Cursos), apenas 35 tiveram nota máxima (1,6%). Levando em conta, por exemplo, cursos de formação de professores a distância, esse índice é de 0,5%. Os indicadores federais de cursos e instituições, e também dos alunos, são classificados em uma escala de 1 a 5.

A maioria das instituições e cursos tem ficado no nível intermediários da avaliação, que é 3. Auditoria do TCU (Tribunal de Contas da União), do ano passado, mostrou que o sistema de avaliação não tem sido capaz de induzir melhorias consistentes da qualidade dos cursos.

O setor de ensino superior privado é um defensor histórico da redução de burocracias para a regulação de cursos e instituições. Além disso, há denúncias de fraudes no sistema por parte de algumas instituições de ensino pelo menos desde 2016”.

Carlos Pompe, com informações da Folha, para Portal Contee

Comentários (0)

Deixe um comentário