Notícias

Izabela Hendrix: descumprimentos trabalhistas continuam – Assembleia 11/2

IZABELA HENDRIX
Enviar por e-mail
Imprimir página Imprimir agora
Tamanho das letras A+ A-

O Centro Universitário Izabela Hendrix, em total descaso  e  falta de compromisso, continua atrasando os salários dos professores.

Até  a presente data, os professores ainda não receberam os salários referentes ao 13º 2018, dezembro de 2018 e férias 2019.

Professores, precisamos deliberar juntos acerca dos constantes atrasos de pagamento dos salários e demais descumprimentos trabalhistas que vêm ocorrendo na instituição.

Compareçam na assembléia, Nossa unidade, nossa força, nossos direitos e nossa luta!

ASSEMBLEIA

Dia 11/02/2019 às 17 horas em primeira convocação e 17:30 horas em segunda convocação

Pauta:- Atraso de pagamento dos salários;

– Descumprimento trabalhistas;

– Indicativo de greve.

Local: AFFEMG

– Rua Sergipe, 893 – Savassi.

CONTAMOS COM A presença de todos!

Comentários (8)

  1. Precisamos nos preparar para a reunião do dia 11/02, pois ela, assim como as últimas, estará repleta de informantes do grupinho que está no poder. Eles se fazem de amigos, se demonstram participativos e fingem de combativos. Criam um teatro, um simulacro de que estão insatisfeitos e assim, detectam meticulosamente quem são os articuladores do movimento de luta pelos direitos. O Izabela Hendrix está perdendo a sua alma. No tempo da antiga reitoria existiam bolsas para refugiados políticos e para alunos oriundos do Haiti. A antiga reitoria era humana e fraterna. A atual direção está matando o curso de Arquitetura e Urbanismo: patrimônio da nossa querida instituição. SINPRO, nos ajude: precisamos de alguma atitude impactante. Poderíamos instalar um cartaz na frente da instituição, com os dizeres: "PROFESSORES PRECISAM DE MAIS RESPEITO E AMOR". O que acha? Vamos propor uma apropriação dos espaços, fazer ecoar a nossa voz. Poderíamos contratar alguns atores e atrizes para fazer uma intervenção dentro da sala dos Coordenadores de Cursos ou da Reitoria! Os alunos e professores do Centro Universitário Metodista IPA de Porto Alegre são mais midiáticos do que nós, e fazem panelaços, um verdadeiro fuzuê em protesto aos desmandos de lá. É o momento de uma ruptura. Que tal fazermos uma intervenção na semana de capacitação docente? Esse é o espaço plural da catarse coletiva: docentes, apresentem aqui os seus relatos de tristezas e insatisfações. Vamos mudar de paradigma e ampliar o elo da tristeza para o plano da ação.

  2. Eu gostaria de fazer um desabafo. Os docentes atuais e os demitidos, muitos com mais de 10 anos de trabalhos prestados, estão sendo tratados como objetos. Há uma verdadeira FARRA NO SISTEMA DE ATRIBUIÇÕES DE HORAS AULA. Seria muito importante fazer uma CPI DAS ATRIBUIÇÕES, pois ela mostraria professores com carga horária altíssima e presença física esporádica na instituição. A distribuição de atribuições entre os cursos é desigual, pois há uma forte influência político-religiosa lá dentro. A nomeação do Coordenador Walker é simplesmente absurda e vai piorar a qualidade do curso, ainda mais. O problema do Izabela Hendrix não são os docentes, o problema do Izabela Hendrix são os membros da direção, reitoria e muitos coordenadores e infelizmente a caneta está na mão deles.

  3. Queridos prof@s, Nós, alunos do Izabela Hendrix, somos solidários ao sofrimentos que vcs tem passado nos últimos anos. Vamos cobrar da reitoria mais respeito e qualidade de ensino. Iremos protocolar uma carta de repúdio a atual reitoria e exigir que as nossas mensalidades se reflitam em uma verdadeira formação profissional. Se continuarem a humilhar os nossos professores(as), iremos iniciar uma ENXURRADA DE CANCELAMENTOS DE MATRÍCULAS. Saibam que outras instituições de ensino JÁ NOS PROCURARAM PARA FAZERMOS TRANSFERÊNCIA. Fiquem sabendo também que recebemos condições especiais de descontos e que vcs nunca nos ofereceram algo semelhante. Como diz o ditado: "quem planta sacanagem colhe solidão". NÃO SOBRARÃO ALUNOS NO IZABELA HENDRIX. Respeitosamente, Associação Amigos do CEUNIH

  4. A direção mostra totalmente sua falta de confiança nos colaboradores presentes, sendo assim as indicações da reitoria já chegam no IMIH ocupando cargos exclusivos, exemplo este o do então senhor arrogância Walker , que chegou na instituição como gestor comercial em Outubro de 2018 e atualmente coordenador do curso de Administração, o mesmo não completou nem 6 meses na instituição, e já ocupa cargos que muitos em anos não tiveram a oportunidade de concorrer. Não é só questão de valor monetário e sim a falta de respeito, através deste tipo de atitude promovido assim pela reitoria que insiste em não ouvir pessoas que não tenha "sangue" metodista ou influência metodista (padrinhos, familiares). Assim como o exemplo citado acima. O resultado de tais fatos observaremos ao longo de 2019 assim como já vem ocorrendo.

  5. O Instituto Metodista Izabela Hendrix se tornou um berço para aproveitadores incapacitados tecnicamente que utilizam do poder de indicação de padrinhos, parentes ou familiares que possuem influência dentro da rede metodista, oferecendo então cargos que nem se quer são abertos editais. A direção mostra totalmente sua falta de confiança nos colaboradores presentes, sendo assim as indicações da reitoria já chegam no IMIH ocupando cargos exclusivos, exemplo este o do então senhor arrogância Walker , que chegou na instituição como gestor comercial em Outubro de 2018 e atualmente coordenador do curso de Administração, o mesmo não completou nem 6 meses na instituição, e já ocupa cargos que muitos em anos não tiveram a oportunidade de concorrer. Não é só questão de valor monetário e sim a falta de respeito, através deste tipo de atitude promovido assim pela reitoria que insiste em não ouvir pessoas que não tenha "sangue" metodista ou influência metodista (padrinhos, familiares). Assim como o exemplo citado acima. O resultado de tais fatos observaremos ao longo de 2019 assim como já vem ocorrendo.

  6. Colegas, a situação É MAIS do que crítica. Endosso o que o Prof. Amigo afirmou. Os professores estão sendo coagidos a naturalizar a falta de cumprimento dos direitos trabalhistas. Os professores receberam o e-mail da instituição ontem, 06/02, dizendo que as "férias" serão pagas algum dia e quando eles souberem a data avisarão! É um absurdo! Nem sabemos quando receberemos atrasado e as contas? Outro ponto é que esta reivindicação não pode se limitar aos docentes na ativa. Os professores que vem sendo demitidos sistematicamente desde que esta direção assumiu no segundo semestre de 2017, não tem recebido aquilo que lhes é de direito. Todos estão endividados e com problemas financeiros e, consequentemente, de saúde. A culpa pela crise do Izabela não é apenas financeira ou do cenário econômico atual ou da concorrência desleal das instituições privadas de capital aberto, mas, sobretudo um problema de GESTÃO e de uma crise ÉTICA. ALUNOS, IGREJA, SINPRO, nos ajudem! Intervenham!

  7. O Centro Universitário Metodista Izabela Hendrix não respeita nada, absolutamente nada. EXIGIMOS OS NOSSOS DIREITOS. NÃO SOMOS SACOS DE PANCADA. PAGUEM OS SALÁRIOS. PAGUEM O FGTS. PAGUEM OS JUROS. EXIGIMOS O RETORNO DA REITORA MÁRCIA AMORIM. QUEREMOS DE VOLTA A NOSSA INSTITUIÇÃO QUE JÁ FOI REFERÊNCIA NO ENSINO UM DIA. EXIGIMOS A SAÍDA DA PROFª DEBORA CASTANHA. QUEREMOS UM COLÉGIO FORTE E HUMANO OUTRA VEZ.

  8. Companheiros(as), Temos que nos unir. O Izabela Hendrix está em uma completa crise de valores. Muitas demissões acontecerão ao término deste período que se inicia e precisamos dar um basta na humilhação em que estamos. Precisamos cobrar salários, FGTS e materiais de trabalho (pincéis, papéis, projetores e higiene das salas). Um alerta: o Izabela Hendrix tem infiltrado funcionários nestas reuniões para descobrir quem são os docentes engajados e depois puní-los, direta ou indiretamente. Isto é muito grave. Precisamos estimular outras formas de combate: apelar para a grande mídia e publicizar ao máximo a nossa luta. Vamos dialogar com a UNE e outras organizações (precisamos, inclusive de outros sindicatos solidários ao nosso drama). A reitoria tem estimulado uma briga entre alunos e docentes, fazendo-os crer que nós somos os culpados pelas paralisações. Precisamos conscientizar os alunos, trazê-los para o nosso lado. Vamos partir para as redes sociais. O momento é crítico e precisamos partir para cima, interditar a instituição se preciso. À luta, brava gente que acredita na educação como meio de transformação.

Deixe um comentário