Notícias

“Muitas vezes não me sinto aprendendo nada”, diz estudante sobre ensino remoto

ensino_remoto_pandemia
Enviar por e-mail
Imprimir página Imprimir agora
Tamanho das letras A+ A-

Professores também relatam pressão e frustração no processo. Especialistas vêem desafios para o pós pandemia

Depois de quase três meses atuando remotamente com seus estudantes, o professor Adriano Claro Neves, da rede estadual de educação de Minas Gerais, relata frustração e angústia.

Os dias do docente seguem dedicados a tentar garantir a aprendizagem dos alunos, em um processo que mistura pressão, dedicação e baixa adesão.

De terça a sexta, seguindo a atribuição de aulas da escola em que atua no município de Ribeirão das Neves, na região metropolitana de Belo Horizonte, o professor de História acessa o aplicativo Conexão Escola, uma das ferramentas do regime de estudo não presencial adotado pela rede, e fica disponível em chats que, na teoria, servem para que os alunos tirem dúvidas dos conteúdos disponibilizados parte por teleaulas, via Rede Minas, parte por cadernos, os planos de estudos tutorados.

Além do tempo online disponibilizado aos estudantes, o professor tem entre suas demandas se inteirar dos conteúdos oferecidos pela rede, como um planejamento de aulas, participar de reuniões administrativas e dar devolutivas mensais para a escola com indicações de quantos estudantes realizaram as atividades, e qual o tempo dedicado a cada uma delas. “Estou trabalhando mais”, garante Neves.

A sobrecarga, no entanto, não se traduz em um trabalho efetivo. “Até o momento, tive interação, de fato, com cerca de dez estudantes”, afirma o docente, que atende mais de 600 adolescentes nas turmas de 6º e 9º ano do Ensino Fundamental e Ensino Médio para as quais leciona.

Para o educador, o cenário é reflexo de um processo solto, sem adesão com a realidade dos estudantes e também dos professores. “Muitos alunos não têm acesso a essas tecnologias e muitos desistiram no meio do processo por não terem conhecimento sobre elas”, garante o profissional, que ainda questiona o fato dos professores também não terem formação para a atuação digital. “Tenho colegas, alguns mais velhos, surtando, adoecendo”, conta.

Em maio, o Sindicato Único dos Trabalhadores em Educação de Minas Gerais (Sind-UTE/MG) denunciou o governo do estado de Minas Gerais, comandando por Romeu Zema (Novo),  ao Ministério Público do Trabalho e ao Ministério Público Estadual com a acusação de que o processo de aprendizagem excluía cerca de 700 mil estudantes (41% da rede) pela exigência de uso de internet, aplicativos e sinal da Rede TV Minas, que não chega a 670 municípios mineiros. O sindicato também questionava o fato do estado se desresponsabilizar pela garantia de apoio econômico e tecnológico aos educadores da rede.

Nesse tempo, Neves não se vê contribuindo para a formação de seus estudantes. “Não estamos fazendo nem pedagogia, nem educação. Os meus alunos, a maioria de periferia, já sofrem de um processo de exclusão diário. Agora, os que têm acesso foram levados a acessar conteúdos, aprender sozinhos, e enviar as atividades sem qualquer mediação efetiva, o que é uma covardia muito grande, é cruel. Esse processo já é difícil quando estamos em sala, dadas as questões que cada um leva para a escola. Agora, certamente piorou”, avalia.

O professor teme que, abalados por um sentimento de frustração, muitos estudantes desistam de retornar à escola, e entende que as instituições deveriam atuar de maneira mais propositiva durante a pandemia. “Não dentro dessa lógica de produtivismo escolar, fazendo com que a escola se torne mais um problema, porque é fato que muitas famílias e alunos não estão conseguindo levar esse processo adiante. Têm escolas fazendo controle de frequência, chamada, ainda que essa não seja uma demanda expressa da secretaria”, critica.

“Eu imagino que seria muito mais produtivo se nos propuséssemos a discutir com os alunos o momento pelo qual estamos passando”, sugere.

“Não me sinto aprendendo nada”

Para tentar acompanhar os conteúdos ofertados pela rede de Minas Gerais durante a pandemia, a estudante Paola Beatriz de Souza Vieira, 18 anos, teve que deixar a casa dos pais na zona rural de Curvelo, e se mudar para a casa da avó, na região central do município, pelo fato do acesso à internet. Ainda assim, ela conta que o processo tem sido pouco atrativo e complicado. “Temos que enviar atividades por whatsapp ou email. Estou levando, mas muitas vezes não me sinto aprendendo nada”, diz a jovem que faz questão de enaltecer o empenho de seus professores.

Na sua escola, os docentes são orientados a trabalhar com vídeo aulas para cumprirem a carga horária, o que mostra a descentralização do modelo aplicado pela rede. “Isso tem ajudado um pouco, principalmente em disciplinas como Química e Física. Mas eu tenho a sorte de ter acesso a um celular e internet, e quem não tem? Na minha família mesmo tem casos assim”, conta.

aestudante_ensino_remoto

CRÉDITOS: DIVULGAÇÃO/CONSED

Dados da Pesquisa TIC Kids Online Brasil de 2018 mostram que 66% de crianças e adolescentes de 9 a 17 anos não se conectam com a internet em ambientes privados, seja na própria residência ou em casa de amigos e familiares. Esse número atinge 82% dos estudantes na zona rural, 70% entre os estudantes das classes D e E; 67% entre estudantes da classe C e 58% nas classes A e B.

A média nacional de lares com acesso à internet é de 79,1%. O menor índice é no Nordeste, com 69,1%. Ou seja: mais de 30% das residências da região não estão conectadas. Na zona rural, menos de 50% das casas têm acesso à rede. No Norte, 77% das famílias fora da zona urbana estão desconectadas.

Os celulares, por exemplo, estão presentes 100% nos lares de classe A; a taxa cai para 84% quando consideradas as residências de classe D e E. Já os computadores portáteis estão concentrados nas famílias mais ricas. Na classe A, 90% têm notebook e 49%, tablet. Nas camadas D e E, os índices são de 3% e 4%, respectivamente.

A reportagem de CartaCapital conversou com um dos professores de Paola, Luciano Fonseca de Paula, que leciona Filosofia.

Para garantir as aulas aos estudantes, o docente chega a ficar média de 10 horas diárias nas salas de aula virtuais, e também se depara com pouca participação dos alunos.

“De uma sala de 40 alunos, chego a ter no máximo uns 12 conectados”, conta o professor que leciona para 16 turmas, com cerca de 40 estudantes cada, em uma escola da região central de Curvelo; e outras nove turmas, com cerca de 30 alunos cada, em uma escola da região rural.

Uma questão nacional

Os problemas apontados pelos professores certamente extrapolam o limite geográfico do estado de Minas Gerais. Uma pesquisa publicada no mês de julho e realizada pelo Grupo de Estudos sobre Política Educacional e Trabalho Docente da Universidade Federal de Minas Gerais (Gestrado/UFMG) em parceria com a Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação (CNTE), mostra que, no Brasil, 9 em cada 10 professores da rede pública de ensino não tinham experiência anterior ministrando aulas não presenciais, e só conheceram o modelo com a chegada da pandemia do coronavírus e o fechamento das escolas.

Ainda de acordo com o estudo “Trabalho Docente em tempos de pandemia”, embora 82% dos professores respondentes tenham dito que desenvolvem atividades escolares a distância no período, 42% relataram não ter recebido nenhum tipo de formação para atuar no modelo.

A pesquisa ouviu 15.654 professores da educação no País, que atuam nas redes municipais, estaduais e federal. Para o presidente da CNTE, Heleno Araújo, os resultados da pesquisa confirmam a necessidade de “estabelecermos uma negociação com as secretarias de educação com base nas diretrizes e recomendações já divulgadas pela confederação sobre o trabalho em educação no momento de pandemia”, avalia.

Reflexões para além da pandemia

Para a diretora do Centro de Excelência e Inovação em Políticas Educacionais da FGV, Claudia Costin, a pandemia desnudou problemas estruturais da educação brasileira que já precisavam ter sido enfrentados, como a falta de investimento na formação dos professores.

“Temos que enfrentar o fato de que a formação que o professor recebe na universidade já acontece divorciada do chão da escola, ou seja, não prepara para a profissão. Quando olhamos para o desenvolvimento dessas competências digitais então, o atraso é maior ainda”, atesta.

Outra questão premente, em sua análise, é a necessidade do Brasil universalizar o acesso via banda larga e garanti-lo a todas as redes de educação.

E embora reconheça as desigualdades educacionais reforçadas com a pandemia, entende que não era o momento do País interromper os processos educacionais.

“Todos os países fizeram mais ou menos o que fizemos, com alternância de métodos de aprendizagem, uso de TV, rádio, internet, claro que alguns com cenários menos desiguais e mais competência digital, mas não acho que uma saída teria sido cruzar os braços, justamente pelos nossos altos índices de desigualdade”, avalia.

“Ainda é importante ressaltar que todas as medidas desenvolvidas até aqui foram feitas sem nenhum esforço de coordenação nacional do MEC”, pontua a especialista que afirma preferir olhar para o cenário pelo lado “meio cheio do copo”.

Costin ainda defende uma postura acolhedora para com os professores e estudantes durante o processo e entende, por exemplo, que as avaliações das redes em um possível retorno devem ser diagnósticas. “Não para passar de ano ou não, para expôr esse estudante, mas para apontar como o processo foi vivido por eles, e quais deles precisarão de ajudas adicionais”, entende.

Em abril deste ano, o presidente Jair Bolsonaro sancionou a Medida Provisória 934/2020 que dispensou as escolas da obrigatoriedade de cumprirem o mínimo de 200 dias letivos, mas determinou que a carga horária mínima de 800 horas fosse mantida.

Após isso, o Conselho Nacional de Educação aprovou um parecer sobre a reorganização do calendário escolar, ao entender que uma das possibilidades para reduzir a reposição das aulas presenciais no pós-pandemia seria contabilizar as atividades não presenciais na conta. A medida é fruto de debate entre educadores e organizações do campo educacional.

Para a professora Macaé Evaristo, que já foi secretária de educação em Minas Gerais, a discussão requer cautela e compromisso com o direito à educação. “Não podemos lidar como se a escola tivesse sido levada para dentro da casa desses meninos. Isso seria considerar que as vidas estão se desenrolando normalmente, dentro de uma realidade que sequer existe”.

Evaristo entende que o caminho é encontrar uma solução conjunta que leve em consideração os fatores que impactaram os estudantes ao longo do período, como sociais, econômicos e políticos, por exemplo, com a falta de ações efetivas que garantissem um acesso equânime a todos os estudantes.

No documento “Diretrizes para a Educação Escolar Durante e Pós-Pandemia”, a CNTE também defende que sejam adotados critérios para avaliar ou não as atividades remotas durante a pandemia. A confederação ainda destaca que a retomada das aulas presenciais só aconteça em um cenário de plena segurança sanitária.

O assunto também tem sido motivo de angústia para professores, justamente porque os estados já começam a sinalizar datas para a retomada das aulas, caso de São Paulo, que fez o anúncio para o dia 8 de setembro.

“Quando a gente aponta os problemas no ensino remoto não é porque a gente está pensando em voltar presencialmente. É porque, primeiro, a gente reconhece o valor da escola e a importância de não esvaziarmos o sentido da aprendizagem. No entanto, a educação se dá a favor da liberdade, da autonomia, da vida. Voltar às aulas passando por cima da saúde das pessoas e de um bem viver só para garantir um ano letivo também não é educar”, finaliza o professor Adriano Claro Neves.

Fonte: Carta Capital 

Comentários (0)

Deixe um comentário