Notícias

Nota em repúdio à perseguição de professores

nota-de-repudio
Enviar por e-mail
Imprimir página Imprimir agora
Tamanho das letras A+ A-

Segue abaixo nota da CONTEE, confederação à qual o Sinpro Minas é filiado. Salientamos que a diretoria do Sinpro Minas acata e assina a nota também.

A Confederação Nacional dos Trabalhadores em Estabelecimentos de Ensino — Contee, que representa mais de 1 milhão de professores e técnicos administrativos que atuam no setor privado de educação em todo o Brasil, manifesta seu repúdio à deputada estadual eleita em Santa Catarina Ana Caroline Campagnolo (PSL), que publicou em sua página no Facebook, logo após a vitória de Jair Bolsonaro (PSL) na disputa presidencial neste domingo (28), uma mensagem para que estudantes catarinenses filmem e denunciem “professores doutrinadores” em sala de aula.

Ana Caroline e sua defesa da perseguição, censura e criminalização de professores já são velhas conhecidas da Contee. Em junho de 2017, a Contee publicou, juntamente com o Sindicato dos Professores de Itajaí e Região, uma nota em solidariedade à historiadora e professora do Programa de Pós-Graduação em História (PPGH) da Universidade do Estado de Santa Catarina (Udesc), Marlene de Fáveri, processada por Ana Caroline. Antes disso, em fevereiro, a agora deputada eleita participou de um debate, na Câmara dos Deputados, com a coordenadora da Secretaria-Geral da Contee, Madalena Guasco Peixoto, sobre o movimento Escola Sem Partido e suas tentativas de aprovar leis para amordaçar o magistério. Na ocasião, a diretora da Contee rebateu os argumentos sobre a existência de uma suposta doutrinação, que partem da falsa compreensão de que o estudante é uma “tábula rasa” passível de ser doutrinado pela escola.

A publicação da deputada eleita publicada neste domingo é mais uma ameaça aos professores e professoras brasileiros em seu direito — e também em sua responsabilidade — de contribuir para uma educação voltada para a formação crítica e cidadã. É também um desrespeito e um ataque à Constituição da República, de 1988, e à Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional, de 1996, que trazem em seu escopo a compreensão de que a educação, dever da família e do Estado, inspirada nos princípios de liberdade e nos ideais de solidariedade humana, tem por finalidade o pleno desenvolvimento do educando, seu preparo para o exercício da cidadania e sua qualificação para o trabalho. Trata-se de uma afronta ao princípio constitucional de que o ensino deve ser ministrado com base na liberdade de aprender, ensinar, pesquisar e divulgar a cultura, o pensamento, a arte e o saber; no pluralismo de ideias e de concepções pedagógicas; e no respeito à liberdade e apreço à tolerância.

Brasília, 29 de outubro de 2018.

Confederação Nacional dos Trabalhadores em Estabelecimentos de Ensino — Contee

Sindicato dos Professores do Estado de Minas Gerais – Sinpro Minas

PROFESSOR, EM CASO DE RETALIAÇÃO OU AMEAÇA, PROCURE O SINPRO MINAS: 3115-3000 ou sinprominas@sinprominas.org.br

NÃO NOS CALARÃO! PELA LIBERDADE DE CÁTEDRA ASSEGURADA NA CONSTITUIÇÃO FEDERAL!

  • Clique aqui e confira as orientações aos professores ameaçados em sua liberdade de cátedra.

 

Comentários (3)

  1. Escola sem debate, sem liberdade de expressão, sem opiniões divergentes não educa. Forma robôs para servir passivamente ao sistema.

  2. Escola Sem Partido é escola com o partido único da direita, do retrocesso, da Lei da Mordaça! Censura, Tortura e Ditadura, nunca mais! Viva a Liberdade,a Educação, o Saber! Viva a Escola Sem Censura!

Deixe um comentário