Notícias

Papa Francisco acusa mídia de difamação que fomenta golpes de Estado

papa-vatican-media
Enviar por e-mail
Imprimir página Imprimir agora
Tamanho das letras A+ A-

Em uma homilia na qual tratou do assunto da unidade, o papa Francisco criticou na quinta-feira (17) o papel da mídia em difamar pessoas públicas a ponto de levar a um “golpe de Estado”, afirmou a agência de notícias do Vaticano.

Francisco citou o exemplo de Jesus, que no Domingo de Ramos foi recebido em Jerusalém com aclamações de “Bendito o que vem em nome do Senhor”, mas, na sexta-feira seguinte, as mesmas pessoas gritaram “Crucifiquem-no”.

“Essa instrumentalização do povo é também um desprezo pelo povo, porque o transforma em massa. É um elemento que se repete com frequência, desde os primeiros tempos até hoje”, disse o pontífice, segundo o Vatican News. “O que aconteceu? Fizeram uma lavagem cerebral e mudaram as coisas. E transformaram o povo em massa, que destrói.”

Com base na leitura do dia, do livro dos Atos dos Apóstolos, o papa comentou que a união de fariseus e saduceus contra Paulo era uma “falsa unidade”, pois, como o apóstolo, os fariseus acreditavam na ressurreição, enquanto os saduceus, não. Porque “era sagaz”, Paulo expôs a divisão e quebrou essa falsa unidade, e a assembleia que o condenava se dividiu.

“Criam-se condições obscuras para condenar uma pessoa”, disse o papa, ainda segundo o Vatican News, acrescentando que esse método é muito usado hoje também “na vida civil, na vida política, quando se quer fazer um golpe de Estado”.

“A mídia começa a falar mal das pessoas, dos dirigentes, e com a calúnia e a difamação essas pessoas ficam manchadas”. Depois chega a justiça, “as condena e, no final, se faz um golpe de Estado”.

Francisco comparou essa ação à perseguição nas arenas, quando a multidão gritava para ver lutas entre mártires ou gladiadores.

Não é a primeira vez que o papa faz críticas à imprensa. Em janeiro, ele condenou o “mal” das fake news (notícias falsas), dizendo que jornalistas e usuários de redes sociais devem rejeitar e desmascarar “táticas de serpente” manipuladoras que fomentam a divisão para servir a interesses políticos e econômicos.

“Notícias falsas são um sinal de atitudes intolerantes e hipersensíveis e levam apenas a difusão de arrogância e ódio. Esse é o resultado final da mentira”, disse Francisco, no primeiro documento do papa sobre o assunto, em que pede um retorno da “dignidade do jornalismo”.

Fonte: Viomundo(e Folha SP)

Comentários (0)

Deixe um comentário