Notícias

Prescrição do FGTS pode ser interrompida até 13 de novembro

fgts_carteira_de_trabalho70887
Enviar por e-mail
Imprimir página Imprimir agora
Tamanho das letras A+ A-

Até o dia 13 de novembro de 2014, o prazo para o trabalhador reclamar contra uma empresa que não recolhesse o Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS) era de 30 anos. Naquela data, porém, o Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu que a prescrição do FGTS acompanha a prescrição trabalhista e, assim, ela passou de 30 para cinco anos, provocando grande prejuízo aos trabalhadores, pois ela foi reduzida.

O STF, em modulação da decisão, definiu no mesmo processo que, a partir de 14 de novembro de 2014, a prescrição do FGTS é de 30 e também de cinco anos, ou seja, a que vencer primeiro.

Assim, “para os casos cujo termo inicial da prescrição – ou seja, a ausência de depósito no FGTS – ocorra após a data do julgamento, aplica-se, desde logo, o prazo de cinco anos. Para aqueles em que o prazo prescricional já esteja em curso, aplica-se o que ocorrer primeiro: 30 anos, contados do termo inicial, ou cinco anos, a partir do julgamento”.

Portanto, se a escola não recolheu o FGTS nos últimos 30 anos, o professor tem até o próximo dia 13 de novembro para reclamar na Justiça. A partir de 14 de novembro de 2019, a prescrição será sempre de cinco anos, caso o professor constate que a escola não depositou após 1989, serão considerados apenas os últimos cinco anos.

EXEMPLOS:

1 – No caso do professor ser contratado antes de novembro de 2014, a prescrição será a soma de seu tempo de serviço com cinco anos;

2 – No caso do professor ser contratado após o dia 13 de novembro 2014, a prescrição será sempre de cinco anos;

No caso do professor dispensado depois de 13 de novembro de 2014, ocorre a prescrição bienal, ou seja, o direito de reclamar prescreve em dois anos, contados da data do fim do contrato de trabalho.

A prescrição, seja de 30 ou cinco anos, vence em 13 de novembro de 2019. Por isso, o professor deve ficar atento e verificar se sua empregadora não deposita em dia o FGTS. Caso o depósito não tenha ocorrido, deve procurar uma agência da Caixa, pedir um extrato analítico e levá-lo ao departamento jurídico do Sinpro Minas, para que seja providenciada uma ação judicial para impedir a prescrição.

A ação será em nome do Sinpro e não será revelado o nome de quem comunicou ao sindicato a falta de depósito.

Mais informações com o departamento jurídico do Sinpro Minas.

Comentários (1)

  1. O CENTRO UNIVERSITÁRIO IZABELA HENDRIX é uma instituição que não recolhe FGTS. temos professores sem recolhimento em 2008 em diante. Por favor, façam material impresso! Divulguem, intimem esta instituição que não cumpre com os direitos trabalhistas.

Deixe um comentário