Notícias

Professores do Izabela Hendrix farão assembleia com indicativo de greve (16/10)

assembleia (2)
Enviar por e-mail
Imprimir página Imprimir agora
Tamanho das letras A+ A-

Os/as professores/as do Colégio e do Centro Universitário Izabela Hendrix realizarão assembleia extraordinária no dia 16/10, quarta-feira próxima, para discutirem os descumprimentos trabalhistas, dentre eles, os atrasos constantes no pagamento de seus salários.

Diante da situação em que se encontram, os professores poderão decidir durante a assembleia, por uma greve.

Assembleia dos/as professores do Colégio e Centro Universitário do Instituto Metodista Izabela Hendrix

Data: 16 de outubro, quarta-feira

local: SINPRO – Rua Jaime Gomes 198 – Floresta

Hora: 16 horas

Pauta:- Atraso do pagamento dos salários;

– Outros descumprimentos trabalhistas;

– Deliberações sobre indicativo de greve.

Comentários (1)

  1. Estamos com os salários atrasados sistematicamente desde a mudança da reitoria em 2017 e com perda da autonomia acadêmica, administrativa e financeira para a Rede em São Paulo. Os professores estão angustiados. Os sistemas não funcionam, alunos descontentes, funcionários administrativos pedindo demissão, sobrecarregados, angustiados ou com depressão. Muita gente adoecendo. Não há a diálogo com a reitoria. Não há um projeto para o Izabela, a não ser precarizá-lo e lucrar não pagando os direitos trabalhistas. O projeto acadêmico coletivo que existia foi destruído. Não há reuniões do conselho universitário. Não há ao menos um calendário e previsão dos pagamentos atrasados. O Izabela não recolhe FGTS desde 2016. Os funcionários dos serviços gerais estão com salários atrasados. Há relatos de famílias que estão sendo despejadas. Estão pedindo comida na pastoral. Com dívidas. A situação é caótica. Professores, sem medo, vamos todo na assembléia no dia 16. Juntos somos mais fortes. Ninguém será contra o Izabela indo nessa reunião. Pelo contrário, se fazemos pelos funcionários, fazemos pela Instituição. Amamos o Izabela e queremos ele forte novamente, mas antes precisamos que a gestão respeite os professores!

Deixe um comentário