Notícias

Reforma da Previdência: centrais convocam novo ato e podem chegar à greve geral

reformadaprevidencia editada
Enviar por e-mail
Imprimir página Imprimir agora
Tamanho das letras A+ A-

Por CTB

Reunidos na tarde desta terça-feira (26), em São Paulo, os dirigentes das centrais sindicais avaliaram como altamente positiva a manifestação do dia 20 contra a proposta de reforma da Previdência de Bolsonaro e convocaram para 22 de março um novo Dia Nacional de Luta em defesa das aposentadorias.

“No dia 20 de fevereiro, ocorreram manifestações unitárias lideradas pelo movimento em várias capitais e cidades brasileiras”, lembra Wagner Gomes, secretário geral da CTB. “O balanço que fizemos foi positivo, com destaque para a manifestação na Praça da Sé, em São Paulo, que reuniu 10 mil pessoas e contou com a participação de várias entidades”.

Greve geral

O sindicalista acrescentou que a luta continua e o próximo passo definido pelas centrais é a manifestação prevista para 22 de março, “que será mais um passo na organização de uma greve geral para barrar a reforma proposta por Jair Bolsonaro e Paulo Guedes. Chegaremos lá e estamos convictos de que lograremos impedir o retrocesso”.

Os representantes da classe trabalhadora consideram que a reforma apresentada pelo governo da extrema direita é pior do que a encaminhada por Michel Temer, que despertou forte resistência na sociedade e não chegou a ser votada pelo Congresso Nacional, até mesmo porque poderia ser derrotada.

Além da fixação de uma idade mínima, que acaba com a aposentadoria por tempo de serviço e em média adia em pelo menos 10 anos o acesso do trabalhador ao benefício previdenciário, a reforma estabelece em 40 anos o tempo de contribuição mínima para ter direito a 100% do valor da aposentadoria, reduz a míseros R$ 400,00 o Benefício de Prestação Continuada (BPC), atribuído aos pobres sem aposentadoria após os 65 anos e contém outras perversidades contra a classe trabalhadora.

Privatização

Conforme notou o secretário geral da CTB, “um dos aspectos mais criticados e nocivos da reforma é a capitalização, que abre caminho para a progressiva privatização do sistema previdenciário no Brasil. Uma vez transformada em mercadoria, a Previdência será um privilégio de poucos, como mostra o exemplo do Chile”.

Empenhado no esforço de aprovação da reforma, o governo tem usado de argumentos mentirosos. O maior deles quer fazer crer que a reforma tem o objetivo de combater privilégios e reduzir desigualdades. Difundida amplamente pela mídia burguesa, a mentira ganha ares de verdade, mas pode ter as pernas curtas, pois já não restam dúvidas de que as maiores vítimas do projeto da dupla Guedes/Bolsonaro serão os brasileiros e brasileiras mais pobres.

Comentários (1)

  1. É um absurdo tamanho! Sou CONTRIBUINTE INDIVIDUAL por 32 anos e tenho 51 anos e meses de idade! Não entrei nas REGRAS DE TRANSIÇÃO e serei levado a contribuir por no minimo 13 anos além dos 3 faltantes pra poder aposentar com simplesmente 1 salário minimo, pois contribuo com 20% de 1 salário minimo! SOU CONTRIBUINTE INDIVIDUAL AUTÔNOMO DO MINIMO!

Deixe um comentário