Notícias

Temer sanciona terceirização, mas trabalhadores nas ruas dizem NÃO!

Foto Ato 31.03.17 - Lidyane
Enviar por e-mail
Imprimir página Imprimir agora
Tamanho das letras A+ A-

Mesmo com intensas mobilizações em todo o país,  o presidente ilegítimo Michel Temer sancionou nesta sexta-feira (31/03), o PL 4302, a lei que libera a terceirização para todas as atividades das empresas. “A covardia desta medida vai intensificar ainda mais a chama para a greve geral convocada para o dia 28 de abril. Nossa resposta à ilegitimidade desse governo e ao golpe representado pelas reformas trabalhista, da Previdência e pela liberação da terceirização irrestrita será nas ruas!”, convoca em nota a Confederação dos Trabalhadores em Estabelecimentos de Ensino (Contee).

“Ao sancionar essa proposta, Temer condena a classe trabalhadora a trabalhar mais e receber menos. Um retrocesso que fere de morte a CLT e condena nosso povo à escravidão moderna”, afirmou o presidente da Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB), Adilson Araújo, ao comentar o fato.

Milhares de trabalhadores nas ruas

O dia 31 de março foi marcado por protestos em todo o Brasil. A maior concentração aconteceu em Belo Horizonte, onde mais de 100 mil pessoas tomaram as ruas do centro da cidade. Trabalhadores também realizaram manifestações em diferentes cidades do interior de Minas. Professores e estudantes do setor privado e da rede pública, com apoio do Sinpro Minas, protestaram em Varginha, Ubá, Ponte Nova, Pouso Alegre, Uberlândia, Uberaba, Montes Claros e em outras cidades mineiras. Veja aqui.

São Paulo teve um público igualmente grandioso, com 70 mil em marcha em ato que começou na Avenida Paulista e terminou na Praça da República. No Rio de Janeiro, 60 mil pessoas tomaram conta da Avenida Rio Branco, e as cidades de Fortaleza e Natal tiveram respectivamente 35 mil e 20 mil pessoas, e Aracaju concentrou mais 15 mil.

Do Acre ao Rio Grande do Sul, inúmeros atos e eventos foram realizados, variando de manifestações em frente a sedes de governo até o fechamento de rodovias federais.

Na Bahia, ao menos 10 municípios realizaram demonstrações simultâneas à de Salvador, e, no Rio de Janeiro, o ato também incorporou uma cerimônia de memória pela data do golpe militar de 64, 1º de abril, diante da Rede Globo. Curitiba realizou um grande debate na Assembleia Legislativa do Paraná contra a Reforma da Previdência, com a participação dos senadores Paulo Paim, Gleisi Hoffmann e Roberto Requião e com o ex-ministro da previdência, Carlos Gabas.

Greve Geral – 28 de abril

Em nota, as centrais sindicais conclamam todos os trabalhadores “a demonstrarem o seu descontentamento, ajudando a paralisar o Brasil no dia 28 de abril”.

Abril de Lutas

Durante todo o mês de abril, os trabalhadores, as entidades sindicais e os movimentos sociais vão realizar assembleias, reuniões, plenárias, manifestações nas empresas, portas de fábricas e locais de trabalho rumo à construção Nacional da GREVE GERAL em 28 de abril.

Com CTB e Contee

Foto: Lidyane Ponciano – Centro de BH

Comentários (0)

Deixe um comentário