Rádio Sinpro Minas

Escute a rádio Sinpro Minas - AO VIVO

Pedagogo cubano condena proposta Escola Sem Partido

O pedagogo Mariano Alberto Isla Guerra, da Associação de Pedagogos de Cuba, faz uma crítica à proposta Escola Sem Partido, defendida por alguns parlamentares no Brasil. Mais conhecida como Lei da Mordaça, a proposta visa retirar a liberdade de ensinar, prevendo, inclusive, punição para professores que abordarem, em sala de aula, temas polêmicos como política e diversidade (racial, gênero etc).

Para o pedagogo cubano, a proposta é tão absurda que fica inacreditável ser defendida por alguns políticos exatamente no país onde nasceu Paulo Freire, o grande mentor da educação para a consciência. O pedagogo afirma que a proposta Escola Sem Partido é autoritária e que contraria  os ensinamentos do grande educador, reconhecido em todo o mundo.

“Há mais de 20 anos, estamos, em Cuba, estudando Paulo Freire e aplicando seus ensinamentos na nossa prática educativa. Para Freire, toda educação é política e se não podemos falar sobre política em sala de aula é porque estamos defendendo uma política autoritária, dominadora. Isso é o que defende esta proposta de Escola Sem Partido que quer limitar e desvalorizar o professor e,   inclusive,  desvalorizar Paulo Freire”, afirma.

Mariano Guerra ressalta que o mais importante, neste momento no Brasil, é a unidade, pois é o que levará à vitória da força progressista no Brasil. Ao falar que é preciso lutar contra estas ideias autoritárias como Escola Sem Partido, ele ressalta que é fundamental a unidade na pluralidade - “podemos pensar diferente, mas atuar em comum em função dos objetivos mais sagrados que tem o ser humano que é o progresso, o humanismo, a justiça, transformação social e a equidade".

Ilustração: O pedagogo representado em mural na Universidade do Bío Bío, no ChileNefandisimo / Creative Commons

Comentários (0)

Deixe um comentário